Semana no Instagram

photo 2 (1)Risquei alguns desejos da minha wishlist, comemorei o aniversário da cachorra do meu chefe e fiquei com saudade da minha. Dei cerveja pro meu outro chefe pra sair mais cedo, comi mais massa do que deveria e dormi enrolada em saco plástico.

ImageProxy

1 e 2 – Almoço de domingo super agradável no Rota 66 com meu namorado, meu irmão e minha cunhada. Risquei chilli beans da minha lista de desejos o/

3 – Foto do Beco do Batman, em São Paulo. Meu irmão do meio me mandou depois que voltei de viagem. Eu nem vi quando essa foto foi tirada então isso significa que ele pode ser um ótimo paparazzi.

4 e 5 – Na sexta risquei da minha wishlist uma tatuagem que já estava fazendo aniversário lá. Foi só a primeira sessão e eu estou apaixonada, uma pena (ou nâo) ser nas costas se não eu ia ficar olhando o tempo todo. Mês que vem vou colorir. Fiz a tattoo com a minha tatuadora de sempre, a , mas depois vou falar mais disso.

6 – Também na sexta foi aniversário da Chica, cachorra do meu chefe. Cinco aninhos dessa porquinha disfarçada de cachorra ❤

7 – Minha princesa linda, Kira. Morro de saudade dela quase todos os dias.

8 – Domingo passado foi dia de show do Arsenic e outras bandas no Salloon 79. O namorado foi fotografar, os amigos foram tocar e eu estava lá também, tomando minha Guiness.

Anúncios

Z.N.

Sou nascida e criada na Zona Sul do Rio de Janeiro. Tirando os 4 anos que morei em Sâo Paulo, morei em Botafogo e há mais ou menos 13 anos moro em Copacabana.

Eis que a vida quis que eu namorasse com um cara que mora “perto de Madureira”, como ele gosta de dizer. Na real ele mora em Vaz Lobo mas ele acha que ninguem conhece hihihi. Além de ser apaixonada pelo meu namorado (óbvio) eu me apaixonei por Vaz Lobo e hoje em dia canto “Madureira” do Arlindo Cruz como se fosse um hino.

Gosto do clima de cidade do interior, das crianças brincando na rua … alias, no domingo, todo mundo está na rua. As familias saem de suas casas, colocam as cadeiras na calçada, o radio tocando pagode e o churrasquinho espalhando aquele cheiro que no fundo todo mundo curte. Lá os cachorros ficam na rua, zanzando e de noite voltam pra casa. Todo mundo se conhece e a fofoca rola solta. Mercadão de Madureira é uma das coisas mais incriveis que eu já vi e ganhou meu coração definitivamente quando vi que tem caldo de cana fresquinho na porta. O Extra solta confete quando é dia de promoção. É tudo tão diferente da minha realidade que me sinto fora do Rio. Ah, tem o calor. Nada que um ventilador não resolva.

O maneiro de lá é que é exatamente aquilo que parece: gente humilde que rala mas também se diverte. E eu tenho certeza que ainda tenho muito o que aprender por lá, principalmente aos domingos 🙂

 

Algumas fotos de lá que postei no Instagram:

07bd1c9804df11e286531231380ff997_756ec91e805ae11e291d6123138072de5_775d7168a64ba11e2a52022000a1f9e5e_7411a9440634711e2a3aa22000a1f97a4_7554eb5fedb6611e18ad722000a1c8651_7e4fc787cd9d511e19c2822000a1e8ab9_7

Ps: Essa lindinha linguaruda que aparece aí é a cachorra do meu namorado, a Kira, a coisa mais linda, fofa, estabanada e arteira do mundo …

Sobre fotografia …

Fotografia, pra mim, sempre foi relacionada a reação/emoção das pessoas. O maior prazer que eu tenho é mostrar uma fotografia pra alguém e isso provocar um “que lindo!”, um “não gostei” ou simplesmente um silencio que diz mais do que muitas palavras por aí.

Há algum tempo postei despretensiosamente duas fotos  no Instagram (http://instagram.com/lucianatorres) que me deixaram surpresa. Eis as fotos em questão:

mao 2 Mao 1

 

Postei sem pretensão nenhuma, serinho. Pra ser sincera nem estavam no hall das minhas melhores fotos. Mas isso acontece frequentemente nesse mundo. As vezes eu publico uma foto minha que eu sou capaz de JURAR que vai bombar. Que vou ganhar vários elogios, que vou alcançar várias pessoas e vou virar Diva (ok, não.). Mas aí essa foto nem tchum. Aí posto um outra, que nem amoooooo de paixão e dramaticamente acho que nem vai valer a pena publicar. Mas não. Ela bomba. Ela tchum. Não chego a virar Diva mas chegou quase lá.

Isso aconteceu com essas duas fotos e é justamente isso que acho maneiro. O que é sensacional pra mim pode não ser pra você, o que eu vejo pode não ser o que o meu vizinho vê.  E isso não vale só pra fotografia.